Home // Qual a confiança nas instituições públicas?
Qual a confiança nas instituições públicas?
13 Jul 22 —

A OCDE apresenta, hoje, 13 de julho, os resultados do seu primeiro inquérito sobre os fatores determinantes da confiança dos cidadãos nos governos e nas instituições públicas. O evento é aberto pelo Secretário-Geral da OCDE e pelo primeiro-ministro do Luxemburgo, contando com uma intervenção da Ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva.

Abrangendo 22 países da OCDE e mais de 50 mil pessoas, o inquérito procurou aferir os níveis de confiança dos cidadãos sobre governos e instituições públicas, tendo incluído questões sobre a satisfação com os serviços públicos e a avaliação da atuação do Executivo em áreas-chave como as alterações climáticas, automação e digitalização, entre outras.

Enquanto interlocutor nacional junto da OCDE para as questões da governança pública, o PlanAPP – Centro de Competências de Planeamento, de Políticas e de Prospetiva da Administração Pública – produziu um relatório que sistematiza os principais resultados sobre Portugal no quadro dos países participantes neste inquérito.

De modo geral, Portugal está em sintonia com os restantes países. A prestação de serviços públicos é percecionada de forma positiva e a satisfação dos cidadãos com o SNS e o sistema educativo é ligeiramente superior à média dos países envolvidos no inquérito. Nos serviços administrativos, a comparação com os restantes países é desfavorável.

A Polícia surge como a instituição mais confiável (Portugal: 71,8%; restantes países: 67,1%) e os partidos políticos como os menos confiáveis (Portugal: 20,9%; restantes países: 24,5%). A confiança dos portugueses na comunicação social distingue-se pela positiva (Portugal: 48,3%; restantes países: 38,8%).

Comparativamente, porém, os portugueses apresentam níveis de confiança mais baixos em relação a algumas instituições públicas, nomeadamente, a Administração Pública (Portugal: 54,2%; restantes países: 63%) e, de forma mais acentuada, em relação aos Tribunais (Portugal: 42,1%; restantes países: 56,9%).

No que diz respeito aos fatores determinantes da confiança na governança pública, a confiabilidade é o valor que reúne mais expectativas positivas (Portugal: 53,9%; restantes países: 47,7%) e a integridade o que concentra mais expectativas negativas (Portugal: 29,6%; restantes países: 37,6%), sendo os políticos o grupo com a avaliação mais negativa. Apenas 27,0% dos inquiridos consideram provável que os políticos recusem ofertas de “portas giratórias” em troca de favores políticos.

O inquérito a Portugal incluiu ainda um módulo exclusivo de questões sugeridas pelo PlanAPP sobre a importância da ciência no processo de tomada de decisão de políticas públicas em Portugal. Os resultados demonstram que os cidadãos consideram que os cientistas devem ser mais ouvidos em matérias como as alterações climáticas (64,8%), energias renováveis (58,6%) e o desenvolvimento sustentável (53,6%), sendo que para a maioria dos inquiridos (52,2%) o grau de envolvimento dos cientistas na decisão política é baixo ou inexistente.

Consulte o relatório produzido pelo PlanAPP.

Veja, ou reveja, a sessão oficial de apresentação do relatório da OCDE Building Trust to Reinforce Democracy 

Loading...